O queridinho das nossas manhãs – tardes e noites – também tem um dia só para ele.


Dados da Organização Internacional do Café (OIC) apontam que o consumo mundial de café ultrapassa 150 milhões de sacas de 60 quilos por ano. E o Brasil é o segundo maior consumidor da bebida do mundo. Já comemorou hoje?

Hey, você aí, me dá um espresso aí!

Bebida mais consumida no Brasil e no mundo ocidental, o café é tão popular, que, aliado à sua importância econômica, desperta  interesse por estudos, desde a sua composição até seus efeitos na saúde humana.

Quem gosta, conhece bem as diferenças entre os tipos do café.

  • Espresso – 35 ml do mais puro café e mais nada;
  • Duplo – o dobro de um espresso. Aproximadamente 60 ml de café;
  • Pingado – servido em um copo americano composto por uma grande quantidade de leite e um só um pouquinho de café por cima;
  • Americano –  conhecido pela adição de água quente no café, dando uma força semelhante, mas sabor diferente, do café espresso. A força de um Americano varia com o número de colheres de café e da quantidade de água adicionada;
  • Macchiatto – café com leite típico da Itália, consistindo num café expresso misturado com uma pequena quantidade de espuma de leite;
  • Espresso Panna – este café conta com creme de leite fresco batido ou feito na coqueteleira – a Panna;
  • Cortado – Latte, é mais conhecido no Brasil pelo nome de média;
  • Café com leite – espresso com leite vaporizado e uma fina camada de espuma de leite;
  • Lágrima – diferencia-se do café com leite por ter mais leite do que café;
  • Cappuccino – leite e café. Porém, algumas versões pelo mundo apresentam 1/3 de espresso, 1/3 de leite vaporizado, 1/3 de espuma de leite na xícara de 150 a 180 ml;
  • Mocha ou Mocaccino – Conta com uma calda de chocolate, leite vaporizado, espuma de leite e uma dose de espresso. A mistura pode ser tri-fásica ou uma mistura de café com a calda de chocolate e o creme do leite por cima e espuma;

  • Irlandês –  fusão do café e uísque irlandês cobertos com uma camada de creme ou chantilly;
  • Caramel Macchiatto – método de preparação, em que o leite fica “manchado” pela adição de café expresso e caramelo;
  • Hawaiano – café com leite de coco;
  • Amaretto – toque especial com a dose da bebida e de creme de leite;
  • Árabe – mais forte e com personalidade por ter especiarias como canela e cardomomo em sua mistura;
  • Caribenho – leva calda de açúcar, rum, licor de café, Martini, gelo, creme de leite e café bem forte;
  • Orgânico – sem aditivos químicos e muito processados.

Como vimos, as variações são diversas. E simplesmente não dá para viver sem café!

Consumo de café é mais alto dentro dos lares

Estrelas do consumo dentro do lar, além de saboroso, o café combina com tudo. Bolacha, cuca, pãozinho, bolo, dia estressante, chuva, frio, filme. E, ainda, traz benefícios à saúde, como aumentar a energia, facilitar a digestão, contribuir para a prática de atividades físicas e ajudar na prevenção de doenças.

Não tem lado ruim, gente!Mentira! Como tudo na vida, é preciso equilíbrio, pois ele pode atrapalhar o sono, promover o desenvolvimento ou atacar a gastrite e ser prejudicial às pessoas que têm arritmia, por exemplo.

Em Mato Grosso do Sul..

A bebida é tão adorada que Ivinhema se tornou a capital do café por aqui, conhecida como maior produtor do Estado e uma das principais atividades do agronegócio ivinhemense.
Por aqui, nossa paixão não é só futebol e Carnaval, mas também aquele café quentinho, passado na hora, que torna tudo possível. Bom, seja como for, passa um café que passa! Bora comemorar!

Continue vendo...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *