Mutum, ave do Pantanal está no nosso quintal

Amantes do mato não encontram apenas grandes mamíferos como onça-pintada e capivara, na nossa região. Os répteis e peixes também são impressionantes, mas o céu também nos proporciona cores e sons, com as exuberantes aves, como o mutum.

Mutum Ave Pantanal

Mutum-de-penacho (Crax fasciolata)

Uma ave hoje considerada ave do pantanal se refugia nas árvores e é bem tranquila, quando não é alvo de caçadores – pois é considerada ótima carne de caça -, situação que hoje a coloca em risco de extinção. O mutum-de-penacho vive em pequenos grupos ou em pares e está presente na parte mais central do Brasil e em países como Bolívia, Paraguai e Argentina.

Por mais que a maior parte das espécies que vivem no Pantanal também esteja presente em outros biomas brasileiros – e a caça é maior -, por aqui, o mutum ainda é bastante comum. Nas fazendas em Mato Grosso do Sul, eles acabam se domesticando, criadas entre as galinhas.

É fácil de reconhecê-lo, pois tem como marca a crista no alto da cabeça. O macho é preto com a barriga branca e a fêmea tem a barriga amarelada, a cabeça e o pescoço pretos, e plumagem listrada de preto e branco. Possui entre 77-80cm e entre 2,2-2,8kg e vive aos pares ou em pequenos grupos familiares.

Ave Mutum, macho e fêmea

Eles fazem seus ninhos no alto das árvores e, depois de 30 dias, quando se eclodem os ovos, os filhotes permanecem com os pais por alguns meses. Mas são emancipados, os pais os expulsam do seu território. Mas quando não está se alimentando de frutos, folhas e brotos, o mutum também é um caçador: de gafanhotos, de caramujos, de pererecas e de lagartixas.

Impactos ambientais no Pantanal

Já sabemos que a intervenção humana no Pantanal afeta a conservação de todo o bioma. Com o mutum não é diferente.

Ave Pantaneira

Um estudo da ONG WCS Brasil revelou que, em áreas de florestas densas e conectadas do bioma, a quantidade de animais dessas espécies por área avaliada era bem maior, comparando com regiões alteradas por atividades humanas, como desmatamento e pecuária extensiva na planície pantaneira.

No caso dos mutuns, o fato pode ser explicado pelo surgimento de uma “savana artificial” e porque a espécie explora tanto o solo de florestas quanto o de cerrados e campos sujos.

Por isso, os estudos e a conscientização sobre os problemas que causamos não podem parar, beneficiando paisagens naturais, fauna silvestre e, pasmem, os humanos. Mas por aqui, com sorte, nós ainda os encontramos pelas trilhas na cidade mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *