Atropelamento, assassinato, desnutrição, suicídio. A violência contra nações indígenas banalizou-se e esse é um dos motivos de esse dia não poder passar em branco.

Segundo dados do IBGE, Mato Grosso do Sul tem a segunda maior população de índios no País, com cerca de 70 mil pessoas divididas em várias etnias, e está entre os estados que mais matam indígenas no Brasil. São povos terena, ofaié, guató, guarani e kaiowá, que há séculos lutam pelos direitos de suas terras originárias, culturas e tradições.

Vivendo na contramão dos modos tradicionais da vida indígena, os problemas e conflitos estão estampados no dia a dia da população. Nós, sabendo da luta dos direitos desses povos, buscamos em Campo Grande homenagens a eles.

Nações Indígenas têm maior parque urbano do mundo

Sabia que o nosso querido e maravilhoso Parque das Nações Indígenas é considerado um dos maiores parques urbanos do mundo? Sua extensão é de 119 hectares em um espaço de lazer, contemplação, prática esportiva e cultura. E ele não recebe esse nome em vão.

São muitas as histórias em torno desse patrimônio que homenageia as riquezas indígenas com os monumentos e denominando cada uma de suas entradas com o nome de uma etnia, as nações indígenas.


O primeiro portão, da Av. Afonso Pena no sentido centro/Parque dos Poderes, é o mais perto do lago e leva o nome de Kaiowa


Guarani é o nome dado ao segundo portão, da Av. Afonso Pena no sentido centro/Parque dos Poderes, entrada da Fundtur


O portão da Av. Afonso Pena no sentido centro/Parque dos Poderes, na entrada do Museu do Índio, é denominado Ñhandeva


A quarta entrada é a Kadiweu, que fica na rua Antonio Maria Coelho, ao lado do Marco


Terena recebe a homenagem no segundo portão da rua Antonio Maria Coelho, sentido centro/Parque dos Poderes


E o sexto portão é o da Av. Mato Grosso, entrada da PMA, e recebe o nome de Ofaié/Xavante.

Esses são os portais de entrada no nosso cartão-postal, instalado em terras desapropriadas, compreendidas entre os limites da avenida Afonso Pena, rua Extremosa, rua Rio Prosa (conhecida como Via Parque), rua Antonio Maria Coelho e o Parque Estadual do Parque do Prosa.

Conquista de espaço sem estereótipos

A homenagem aos primeiros habitantes do Brasil acontece em forma de várias festividades nas próprias aldeias, com prática de esportes tradicionais, comidas típicas e manifestações.


Uma coisa bem importante hoje é tentarmos fugir dos estereótipos e preconceitos que costumam invadir as mídias.

Sabe o que é mais legal de comemorarmos? Que a falta de oportunidades não impediu que os índios conquistassem espaços nunca antes pensados.

| Mato Grosso do Sul, Oriente-se

Nome:
Email:
Site:
Escreva seu comentário: