Que tal pegar a estrada até o Morro do Paxixi?

Pegar a estrada sempre que podemos é essencial por aqui. Agora, resolvemos registrar no blog cada lugar em que passarmos, começando pelo Morro do Paxixi.

Fomos “turistar” em Piraputanga, distrito do município de Aquidauana, Portal do Pantanal.

Estrada Parque

Encantados com o cenário único, logo na estrada, saindo de Campo Grande, percebe-se a diferença de paisagem em cores deslumbrantes.

As várias formas do cerrado nos acompanham caminho afora, por meio de campos, cordilheiras, veredas, afloramentos rochosos, pastos e boiadas.

Contemplando o nascer do sol no decorrer dessas cenas, percorremos os 150 km da Capital até o Morro do Paxixi.

O que não deixamos de notar por toda essa travessia é que, a cada poucos quilômetros, nos deparamos com animais mortos pela estrada, mesmo com as placas alertando sobre o cuidado com a passagem desses bichinhos pela região.

Como destino final o Morro do Paxixi, adentramos as trilhas

Ao chegar em Piraputanga, a primeira parada.

Deixamos o carro e seguimos o trilho. Enquanto o “velho trem” não “atravessa o Pantanal”, imaginamos como seria se ele fosse recuperado e a estação estivesse preservada.

Às margens da linha férrea, as paisagens da Morraria da Serra de Maracaju são os atrativos, com o Morro do Chapéu, Morro Dedão, Bico da Arara, Cachoeira do Morcego e o Morro do Paxixi.

Guiados pelo som da água, chegamos até a prainha, à margem do rio Aquidauana, na Serra de Maracaju.

Momento para curtir o visual incrível e as águas geladas da região.

Rio Aquidauana
Antes do Morro do Paxixi, pausa para se refrescar.

Da estrada até o topo do Morro do Paxixi

A estrada até o topo é mantida pelas empresas de telecomunicações e pela prefeitura do município e, no decorrer do caminho, é possível ver as três grandes antenas de comunicação.

Seguindo a rota, passando por Camisão, a estrada se estreita e se divide em partes de asfalto e de terra e é quando se inicia o trajeto até o Morro do Paxixi.

Durante a nossa passagem por lá, máquinas trabalhavam para a melhoria das estradas.

E aqui, começa a aventura ecológica, com barrancos, árvores e bambuzal de um lado, enquanto do outro, o paredão do Morro do Paxixi.

Visual para não desanimar durante os diversos pontos íngremes da subida.

Margeando a estrada, encontramos uma queda de água do córrego do Morcego, com cerca de 3m de altura, em que as águas despencam para o vale, numa queda de 36 metros, de onde podemos contemplar uma linda paisagem, com rochas, rica vegetação e um riacho.

Continuando o percurso pela estreita estrada rumo ao mirante do Morro do Paxixi, começam os buracos, impossíveis de ultrapassar de carro.

Mas se curtir uma trilha off-road de moto ou bike, fica a dica.

Seguimos a pé, nos guiando pelas faixas que indicam o rumo ao mirante.

Do mirante do Paxixi, a nossa pequenez

Chegando lá, encaramos uma paisagem privilegiada do cerrado sul-mato-grossense.

No final da Serra de Maracaju, o alto do Morro do Paxixi, com aproximadamente 700 metros de altura em relação ao nível do mar e de onde é possível ver o começo da Planície do Pantanal.

Em consequência do tempo seco desta época, uma paisagem azul mistura-se com o verde e toma conta dos olhos.

O cantar dos ventos entre a vegetação e a sensação de quando ele toca o rosto também são inesquecíveis.

Sentados ali, a certeza da nossa riqueza natural e de que uma próxima visita ao Morro do Paxixi deve ser para contemplar o pôr do sol.

4 Replies to “Que tal pegar a estrada até o Morro do Paxixi?”

    1. Oi Cuca, é possível sim, da onde se consegue ir de carro até o mirante da no máximo uns 500m. Você pode tentar conversar com as pessoas que trabalham nas antenas em cima do morro por esse facebook.

    1. Olá Gabriel, saindo de Campo Grande há 2 possíveis entradas para o morro que fica em Camisão, uma a mais próxima é sair da BR-262 e pegar a MS-450 que vai ligar direto a Camisão passando por Piraputanga, a outra é a que nós fizemos passar um pouco a MS-450, e entrar pela “Estrada Parque de Piraputanga” no KM 461 da BR-262.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *