Limite com as regiões turísticas do Pantanal, do Caminho dos Ipês, da Costa Leste e do Vale do Aporé, a Rota Norte é roteiro certo para quem gosta de turismo de aventura e histórico-cultural, com um cenário incrível e grande potencial de crescimento turístico.

Região Turística Rota Norte Sul-Mato-Grossense

Denominada Rota Norte pela indústria do turismo, a região abrange os municípios de Alcinópolis, Bandeirantes, Camapuã, Costa Rica, Coxim, Figueirão, Pedro Gomes, Rio Verde de Mato Grosso, São Gabriel do Oeste e Sonora.

Com 10 cidades que apresentam forte apelo natural, não é nenhum espanto ver as belezas encontradas na Rota Norte, que oferece ampla variedade de segmentos turísticos.

Se o seu interesse é sobre história, por exemplo, a região preserva sítios arqueológicos, com grutas e artes rupestres intactas em rochas de 400 milhões de anos.

By FigueiraoOwn work, CC BY-SA 3.0, Link

Como em Alcinópolis, a pequena cidade a 364 km de Campo Grande onde é possível encontrar cânions, abismos, serras com pinturas rupestres pré-históricas.

Em Figueirão, também encontramos atrativos históricos e naturais, como pinturas aborígenes, sítios arqueológicos e balneários.

Ao pensar em práticas como trekking ou rapel, na Rota Norte também é possível encontrar palco para o ecoturismo, safari ecológico e fluvial, com cachoeiras, córregos, riachos e piscinas naturais, como em Bandeirantes, Costa Rica e Coxim.

By Robson da Cunha – Own work, CC BY-SA 3.0, Link

Camapuã, São Gabriel do Oeste e Sonora se destacam pelo turismo rural, que permite um legítimo contato com a natureza, a agricultura e as tradições locais.

Aliás, a gastronomia certamente tem sua notoriedade, com pratos como a paçoca de carne-seca, churrasco com mandioca, arroz carreteiro e outros à base de peixe.

A Rota Norte é terra dos índios Caiapós e Coroados, banhada pelos rios Coxim, Correntes, Piquiri, Sucuriú e Taquari, e porta de entrada para a natureza intocada do Pantanal.

Tudo isso é bem representado pelo artesanato regional. Cerâmicas moldadas e acessórios feitos à mão com pele de peixe expressam a riqueza sul-mato-grossense.

Os pequenos municípios estão, aos poucos, se capacitando para receber os turistas e, nos últimos anos, eles se organizaram para que a área recebesse sinalização turística por parte do Ministério da Integração Nacional.
Assim, esforços para estruturação dos roteiros e aperfeiçoamentos dos trabalhadores são focos para o desenvolvimento da região, que, se depender de sua beleza, tem potencial para levar MS para todo o Brasil.

Continue vendo...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *