Ecoturismo: parques estaduais são grandes atrativos

Já falamos sobre onde praticar ecoturismo em Mato Grosso do Sul.

E, em tempos em que precisamos cada vez mais olhar para o meio ambiente, Mato Grosso do Sul possui variados destinos turísticos tradicionalmente já conhecidos.

Além das opções que atraem turistas todos os anos, novos lugares também ganham intensidade no mapa turístico sul-mato-grossense.

E os parques estaduais saem na frente como principais atrativos para o ecoturismo.

Potencial do Parque Estadual das Várzeas do Ivinhema

Administradas pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), as unidades de conservação, como o Parque Estadual das Várzeas do Ivinhema, vêm atravessando adaptações para incentivar a visitação pública e proporcionar que ela seja feita de forma atraente ao ecoturismo.

Parque Estadual das Várzeas do Ivinhema
Parque Natural Municipal de Naviraí. Foto: Divulgação/Prefeitura de Naviaraí

O Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema foi criado em 1998, fruto de compensação ambiental paga pela Companhia Energética de São Paulo (Cesp) ao governo de Mato Grosso do Sul, em razão da construção da Usina Hidrelétrica Engenheiro Sérgio Motta no rio Paraná.

Foi a primeira Unidade de Conservação do Estado assim constituída.

Há cerca de 20 anos, o governo de Mato Grosso do Sul transformou essa área em parque, assegurando a preservação ambiental.

Estendendo-se por 73 mil hectares na região sul de Mato Grosso do Sul, o Parque Estadual das Várzeas do Ivinhema localiza-se entre os rios Ivinhema e o Paraná, envolvendo os municípios de Taquarussu, Jateí e Naviraí.

Com a meta de proteger a biodiversidade local, o parque promove a preservação, a pesquisa e o turismo na região.

O parque protege então as vegetações de Mata Atlântica, Cerrado e Várzea, com vasta fauna e flora.

Por lá, é possível observar espécies, como répteis, cobra-cipó marrom, lagarto teiú, cascavel-de-quatro-ventas, a imponente sucuri, a temida urutu-cruzeiro, anta, o veado-do-Pantanal, o gato-mourisco e o incrível lobo-guará, entre outros tantos.

Com grande potencial para o ecoturismo, abrir as portas do parque é uma ação imprescindível e essencial, por isso, a unidade está em busca de parceiros para iniciar o recebimento de turistas.

Esse plano de manejo está sendo revisado pelo Imasul, em parceria com a ONG Neotropica e a Universidade da Grande Dourados (UFGD).

O desenvolvimento do turismo ecológico, ecoturismo e turismo científico no parque traz novas opções de atividades como trilhas, esportes de aventura, observação de animais silvestres e aves e até mesmo pesquisa.

Em 2017, o Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema sofreu com um incêndio provocado por causas naturais.

Fotos: SEMAGRO

O fogo consumiu cerca de 27 mil hectares de pastagens (basicamente brachiaria) remanescentes na região.

Hoje, cinco funcionários fazem a manutenção do local, sendo um efetivo do Imasul e quatro terceirizados.

O Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema conta ainda com um Conselho Construtivo, que apoia a gestão da unidade ambiental.

Mato Grosso do Sul merece cuidado e visitas a lugares como esse, que possui uma beleza natural indescritível.

É preciso empenho e divulgação para que o parque passe a ser turístico. Então, nos ajude a divulgá-lo!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *