Nomes da arte em Mato Grosso do Sul

A lista de artistas de Mato Grosso do Sul está cada vez mais extensa, ainda bem!

Separamos aqui alguns dos artistas sul-mato-grossenses que retratam o cenário da terrinha em diferentes formatos, cores e sentimentos.


www.daltrojr.blogspot.com

 Daltro

Epaminondas Pedreira Daltro Júnior ou apenas Daltro, é um artista com grande carisma e simplicidade.

Em seus quadros expressionistas, Daltro registra referências de Mato Grosso do Sul, como pescadores, lavadeiras, tocadores de violas-de-cocho – instrumento do folclore pantaneiro -, famílias na festa do Banho de São João e outros personagens que imagina.

O pintor também pratica o impressionismo, quando retrata paisagens do Pantanal, de Corumbá e do patrimônio arquitetônico da cidade.

http://edsoncaztro.blogspot.com/

Edson Castro

Um dos artistas plásticos sul-mato-grossenses de mais destaque na atualidade, o corumbaense Edson Castro, que estava radicado em Paris desde 2009, tem um trabalho entre o abstrato e o figurado.

Com traços fortes que nascem da sua maior inspiração, o Pantanal, Edson Castro conquistou seu espaço e reconhecimento fora de Mato Grosso do Sul.

Em 2016, o artista ganhou um curta-metragem que leva o seu nome, em que passeia entre as memórias de seus quadros.

http://marlenemourao.blogspot.com

Peninha Mourão

Nascida em Coxim, mas residente em Corumbá, Marlene “Peninha” Mourão é reconhecida pelo seu traço bico de pena e por promover a beleza do Pantanal em aquarelas.

Além de artista plástica, Peninha também é escritora e poeta, e lançou os trabalhos “Azul Dentro do Banheiro”, 1976 (poesia). “Pacu Era um Peixe Que Vivia Feliz nas Águas do Rio Paraguai”, 2002 (fic), “Mariadadô, o Livro” ( seleção de tirinhas do personagem que desenvolveu, Mariadadô ), de 2012.

Jorapimo

Precursor da pintura moderna em Mato Grosso do Sul, José Ramão Pinto de Moraes – ou Jorapimo -, nasceu em Corumbá e começou a pintar aos 14 anos, quando embalagens de medicamentos o inspiraram com artistas, como Van Gogh e Cândido Portinari, que costumam vir impressos.

Jorapimo ganhou reconhecimento ao representar a rotina do homem pantaneiro e as belezas de Mato Grosso do Sul, retratando o amor por sua terra natal.

O artista plástico participou de exposições em grandes centros do país, como São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília e também em cidades do Japão, Bolívia, Colômbia, Alemanha e Estados Unidos.

Jorapimo morreu em novembro de 2009.

Humberto Augusto Miranda Espíndola

Primeiro artista do Centro-Oeste a se destacar no cenário da arte contemporânea brasileira, Humberto Espíndola nasceu em Campo Grande, em 1943.

Seu trabalho é voltado a temáticas regionais, com pinturas inspiradas na bovinocultura.

Foi o criador do Museu de Arte e Cultura Popular, em Cuiabá, e recebeu diversos prêmios por seus trabalhos.

Na capital sul-mato-grossense, ele é cofundador do Centro de Cultura Referencial de Mato Grosso do Sul e é autor do Monumento à Cabeça de Boi, de ferro e aço, instalado na praça Cuiabá, em 1996.

Humberto Espíndola realizou várias exposições, no Brasil e em outros países e tem obras em museus como o Museu de Arte Contemporânea de Campo Grande, o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, Museu de Arte Moderna de São Paulo e a Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Vera Senefonte

Residente em Mato Grosso do Sul há mais de 20 anos, Vera Senefonte é formada em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

As obras de Vera Selefonte demonstram grande representação da identidade sul-mato-grossense, com temas como natureza selvagem, regionalidade e astúcia sempre em pauta.

A artista já participou de exposições individuais e coletivas em vários países, recebendo convite para expor, divulgar e comercializar seus trabalhos na Art Gallery em Nova York.

https://www.flickr.com/photos/[email protected]/

Thetis Selingardi

Com tendência abstracionista, Thetis Maia Selingardi é uma artista plástica brasileira nascida em Campo Grande, MS.

Ela representa a geração dos anos 1980 e compõe um acervo que se inicia da década de 1970, antes da divisão do Estado.

Thetis é consagrada com críticas de artes nacionais.

Joubert Pantaneiro

Nascido no interior de Mato Grosso do Sul, em Corumbá, Joubert ganhou o apelido de Pantaneiro em razão de suas origens e dos traços das figuras retratadas em suas pinturas.Pintor de excelentes obras naif, Joubert Pantaneiro usa uma pesada camada de tinta para dar o resultado surpreendente nas suas obras.

Além de pintor, ele é escultor, gravador e tapeceiro.

Priscilla Pessoa

Com uma arte única, Priscilla Pessoa é um dos nomes mais recentes de destaque na pintura de Mato Grosso do Sul.

Em seus trabalhos, a artista trata de conceitos atuais do nosso dia a dia traz muitas representações da mulher, quebrando a barreira da arte.

Ela já expôs suas obras em inúmeras mostras e salões de arte ao longo de sua carreira.

Pedro Guilherme

Natural de Coxim, interior de Mato Grosso do Sul, Pedro Guilherme é pintor e escultor, que já possui diversas exposições coletivas, individuais e premiações em salões de arte.

Em Campo Grande, além de alguns murais públicos, Pedro Guilherme é autor de duas grandes esculturas muito conhecidas: na Lagoa Itatiaia e o casal de peixes do Lago do Amor.

Ele é o idealizador da “Confraria Socialista”, movimento cultural do Estado que reúne artistas em busca da ocupação dos espaços públicos, com o objetivo de despontar a consciência coletiva por meio das artes.

Tem algum preferido ou lembra de algum nome que não fez parte da nossa lista?
Conte pra gente nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *