Plantas medicinais em Mato Grosso do Sul

Entre as pequenas e grandes árvores e a vegetação rasteira que se formam em Mato Grosso do Sul, encontramos uma boa variedade de plantas medicinais que são verdadeiros remédios naturais.

Utilizadas pelos moradores que vivem no Estado há tempos, a manifestação sobre o conhecimento das plantas medicinais de Mato Grosso do Sul é antiga.

Então, mesmo nas áreas urbanas, o conhecimento popular, passado de geração a geração, está muito presente.

Um remédinho para espinhas, um cházinho para cólicas ou para a famosa ressaca.

A sabedoria popular sobre as plantas pode dar uma forcinha nessas questões.

Cura natural em Campo Grande

É bastante comum encontrar pessoas em busca de uma cura natural para os seus males, em Campo Grande.

Da mesma forma, inúmeras banquinhas de ervas medicinais existem pelas ruas da Capital sul-mato-grossense, como no Mercadão, por exemplo.

Conhecida como fitoterapia, a prática terapêutica é reconhecida pelo Ministério da Saúde desde 2006.

E, conforme o Conselho Brasileiro de Fitoterapia, a área só tende a crescer em meio às terapias medicinais alternativas.

Em diferentes países, a medicina popular por meio de plantas é amplamente praticada por raizeiros e pequenos ervanários, e apresenta-se em grande expansão.

Separamos uma lista com as 10 plantas medicinais mais comuns em Campo Grande.

Carqueja

A Carqueja (Baccharis trimera) é uma planta medicinal indicada para melhorar a digestão, combater os gases e ajudar a emagrecer.

O chá de carqueja tem sabor amargo e suas propriedades incluem ação diurética, antianêmica, antiasmática, antibiótica, antidiarreica, antidiabética, antidispéptica, antigripal, anti-inflamatória, anti-reumática, aromática, colagoga, depurativa, emoliente, febrífuga, laxante, hipoglicêmica, sudorífica, tenífuga, tônica e vermífuga.

Indicações: dores no estômago, azia, má-digestão, gastrite, anemia, inflamações, dores no fígado, diabete, emagrecedor, reumatismo.

Barbatimão

O Barbatimão (Stryphnodendron barbatimam Mart.) já era utilizado pelos índios e tem diversas funções, como tratar úlceras, doenças e infecções da pele, pressão alta, diarreia, hemorragia e feridas com hemorragias, hérnia, malária, câncer, problemas no fígado ou nos rins, inchaço e hematomas na pele, queimaduras na pele, dores de garganta, diabetes, conjuntivite e gastrite.

Essa planta é muito usada para tratar a dor, tanto generalizada quanto localizada, podendo diminuir o desconforto.

Utilizada para a saúde da mulher, o barbatimão é bastante útil para combater inflamações do útero e ovários, além de reduzir o corrimento vaginal.

Algodãozinho

O algodãozinho (Cochlospermum regium)é uma planta de uso medicinal com inúmeras aplicações na medicina tradicional, principalmente, na confecção de chás e garrafadas para “problemas de mulher”.

A parte usada do algodãozinho é a casca da raiz.

É rica em caempferol, uma molécula que confere à planta propriedades anti-inflamatória, analgésica, gastroprotetora e até antioxidante.

Catuaba

A catuaba (Anemopaegma arvense) é considerada um tônico poderoso e enérgico, estimulante do sistema nervoso e também é famosa como afrodisíaco.
É utilizada também na insônia, nervosismo, neurastenia, hipocondria, convalescência de doenças graves, falta de memória e fraqueza dos órgãos sexuais.

Alecrim

Ingrediente muito comum em cosméticos, o alecrim (Rosmarinus officinalis) ajuda a fortalecer os vasos capilares.

A alecrim é usado em forma de gargarejo para tratar dores de garganta e úlceras bucais.

Como erva de banho, o alecrim trabalha como um rejuvenescedor, aliviando dores musculares.

O chá de alecrim é utilizado para o tratamento de artrite, pois possui quatro componentes anti-inflamatórios: earnosol, ácido oleanólico, ácido rosmarínico e ácido ursólico.

O óleo essencial do alecrim ainda é usado em perfumes, pasta de dentes, repelentes e óleos de massagem.

Ipê-roxo

Pesquisas realizadas pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos demonstraram que a Tabebuia impetiginosa possui um efeito muito pronunciado sobre o câncer.

O ipê-roxo (Tabebuia sp) é utilizado na complementação de tratamentos de câncer de pulmão, próstata e cólon e, acredita-se que ele também aumenta a produção de células vermelhas no sangue.

Ele é um laxante moderado e pode revigorar o sistema imunológico.

O ipê-roxo apresenta também ótimos resultados contra o parasita da malária.

Erva-de-bico

A erva-de-bico (Polygonum punctatum Elliott) é uma planta com propriedades utilizadas em inflamações, diurética, vaso constritor, entre outras.

Propriedades medicinais da erva-de-bico são adstringente; anti-reumática; anti-inflamatório; cicatrizante externo; diurética; estimulante; hemostática; sedativa; tônica; vasoconstritora; anti-helmíntico; vermicida; revulsiva; antidisentérica; antiblenorrágica; antihemorróidal; antitérmica; estimulante; anti-séptica; colerética; homeotensora vascular; antiartrítica; antialérgica; emenagoga; depurativa; resolutivo; estimulante (da circulação).

Congonha-de-bugre

São muitas as indicações sobre a congonha-de-bugre (Rudgea viburnoides).

A mais conhecida é sua ação tônica cardíaca, com clara indicação nos quadros de arritmia.

Outra qualidade é o estímulo à diurese, regularizando as funções renais ou o excesso de ácido úrico circulante, que pode causar fortes dores nas articulações das sofridas crises de “gota”.

A congonha-de-bugre ainda atua nos casos de aumento das taxas de colesterol e triglicérides, assim como de pressão alta, dores nos rins e bexiga.

Sete-sangrias

A sete-sangrias (Rotala ramosior) é uma planta ideal no tratamento de pessoas que querem e precisam emagrecer, pois evita o inchaço e favorece a perda de peso.

O uso constante da sete-sangrias ajuda a tratar as complicações com o sistema renal, colaborando na eliminação de ácido úrico, em razão das suas propriedades diuréticas.

As propriedades do chá de sete-sangrias incluem uma limpeza do sangue, eliminando também uma parte do colesterol ruim, reduzindo então a hipertensão.

A sete-sangrias ajuda no tratamento e combate à febre.

Outros usos populares da planta são: tratar diarreias, fazer descer a menstruação (emenagoga), adstringente, anti-reumática (auxilia a eliminação de ácido úrico), anti-dermatites (afecções da pele como psoríase, furúnculos, eczema), depurativa, diurética, cardiotônica, hipocolesterolêmica, sedativa, sudorífera, febrífuga, anti-sifilítica, arteriosclerose, e insônia, tensão nervosa, tosse seca cardíaca.

Nó-de-cachorro

O chá de nó-de-cachorro (Heteropterys tomentosa A. Juss.) auxilia em casos de diabetes, resfriados e gripes.

A planta atua também como anti-inflamatório e antibacteriano em casos de infecções intestinais ou renais e ajuda em casos de diarreia.

O nó-de-cachorro é usado para eliminar o excesso de ácido úrico, fortalecer ossos e tecido muscular, além de ter propriedades afrodisíacas.

Pesquisas ainda mostraram que o nó-de-cachorro alivia e previne casos de úlcera, estabiliza níveis de colesterol e beneficia a memória.

Mais do que opções para o paisagismo urbano, a lista das plantas medicinais de Mato Grosso do Sul é imensa.

Com certeza, você tem mais nomes de plantas medicinais para compartilhar com a gente nos comentários!

Então, agora que você já conhece seus benefícios, adquira suas mudinhas.

Ah, lembrando que é sempre bom consultar um médico ou especialista.

One Reply to “Plantas medicinais em Mato Grosso do Sul”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *