Usina Velha – Patrimônio histórico de Dourados

Conhecida como “Usina Velha”, a Usina Filinto Muller foi a pioneira na geração de energia, na década de 1940.

Localizada em Dourados (um dos municípios que pertenciam ao Território Federal de Ponta Porã), a 214 quilômetros de Campo Grande, a construção da Usina Filinto Muller iniciou-se em 1943.

A usina e seus anexos estavam localizados à margem direita do córrego Laranja Doce, região norte da cidade de Dourados.

Silvio Pereira Costa (link)

Com a II Guerra Mundial, os recursos para a construção da usina foram empregados na proteção do território, e as obras, paralisadas.

No fim da guerra, em 1946, a construção da usina movida a vapor foi retomada e, em 1949, a obra estava pronta, tendo como principal objetivo abastecer as casas da região, onde hoje são as avenidas Marcelino Pires, Weimar Torres e Joaquim Teixeira Alves.

Além de produzir energia elétrica, a Usina Filinto Muller oferecia serviços de mecânica, serraria e carpintaria, gerando oportunidades na comunidade.

A Usina Filinto Muller foi a primeira obra de grande importância no estado, que ainda era Mato Grosso.

Misturada com o verde da região, a usina dava o charme com sua chaminé, fornalha e caldeira.

O senador Filinto Muller, chefe da Polícia de Mato Grosso, cortou a faixa de inauguração

A usina recebeu o nome de “Senador Filinto Muller”, em razão da importância política que ele tinha, na época.

Além do fato de que Filinto Muller pertencia ao PSD, partido que estava no governo de Mato Grosso naquela época.

Alexsander Gonçalves

Do desenvolvimento da cidade surgiu a necessidade de transferir o motor que fornecia a energia à região para perto do centro.

Assim, a usina funcionou apenas por três anos, até 1952. E, na década de 1970, o sistema foi substituído por energia hidrelétrica – da Usina de Urubupungá, no rio Paraná.

Preservação da Usina Velha

Nas décadas de 1980 e 1990, a população douradense realizou movimentos em defesa de preservação do prédio da usina velha.

Estes movimentos visavam valorizar a história local, fortalecer a identidade douradense e dar uso ao espaço da usina para a prática de atividades culturais.

Tombada em 15 de julho de 1991, a Usina Filinto Muller tornou-se patrimônio cultural da cidade, pela lei municipal nº 1694.

Aconteceram projetos para a reforma e recuperação da Usina Filinto Muller, mas ficaram apenas no papel.

A prefeitura até elaborou projetos com o objetivo de transformar o espaço num centro cultural, mas nenhum deles foi concretizado.

Da usina antiga só restaram as ruínas, que ainda esperam por restauração.

Durante a administração de Laerte Tetila, em 2005, uma mobilização aconteceu visando a transformação do local em um ponto turístico, mas a ideia também não foi para frente.

Hoje, a chaminé é a única parte da estrutura que permanece intacta e serve de lembrança daquele tempo.

A usina resiste ao tempo e serve de cenário para os turistas que visitam o local quando passam por Dourados.

Compartilhe

Ficamos felizes com seu comentário