Típica do Cerrado, a bocaiuva (Acrocomia aculeata) é a fruta doce que já se tornou bolo, farinha, sorvete e até brigadeiro na culinária de Mato Grosso do Sul.

A casca da bocaiuva é fina e pode ser facilmente quebrada com os dedos. E dentro da frutinha existe uma doce, nutritiva e saborosa parte fibrosa.


chiclete de pobre

O “chiclete de pobre” – expressão para designá-la, em razão de ela ser encontrada em todo lugar e do tempo que podemos ficar mastigando – é sucesso entre as crianças de Mato Grosso do Sul e fascina os turistas.

O fruto com tamanha importância regional une o sabor da infância com a economia da região, tanto no comércio quanto no turismo, em que viajantes buscam os sabores locais.

Além da diversidade gastronômica, tudo na bocaiuva pode ser aproveitado.

As folhas, por exemplo, são utilizadas para suplementação alimentar de cavalos e bois, servindo de reforço na sustentação dos animais.

A bocaiuva ainda pode ser utilizada na construção de habitações: a palha, na cobertura; os coquinhos, por serem muito duros, servem como brita; a madeira serve para parede, caibro e ripa.

O óleo da amêndoa ainda é usado na produção de sabão, sabonete, margarina e cosméticos.

Qual é a relação da bocaiuva com a cultura de MS?

A bocaiuva é o coquinho de uma palmeira que chega a 25 metros de altura e sua distribuição assemelha-se ao território de antigas populações indígenas.


A etnia Terena, por exemplo, ainda usa a palmeira para fins alimentares, utilizando a polpa, a amêndoa e o óleo para produzir alimentos artesanais.

Esse trabalho de extrair e processar a bocaiuva e também produzir os seus derivados gera uma renda diversificada para a região.

Em cidades como Miranda e Corumbá, a bocaiuva já ganhou o mercado, com produtos genuinamente regionais.

A alternativa de renda com produtos vindos da bocaiuva já faz parte da agricultura de famílias e contribui para a melhoria de vida de todos, desde os trabalhadores que plantam e colhem as frutas até os que fabricam os produtos e os que os revendem.

Em outros lugares, a bocaiuva também é conhecida como macaúba, coco-baboso, mucujá, mocujá, mocajá, macaíba, macaiúva, umbocaiúva, imbocaiá ou coco-de-espinhos, coquinho.

Importância ecológica da bocaiuva

A crença sul-mato-grossense de que a bocaiuva só nasce em terra ruim não poderia estar mais errada.

Na verdade, a palmeira é bem exigente quanto à fertilidade da terra e à umidade do solo.

Assim, vemos a importância ecológica da bocaiuva na colonização de áreas degradadas e na alimentação de diferentes espécies da fauna de Mato Grosso do Sul, como as araras, capivaras, antas e cotias que amam comer os
frutinhos.


Mesmo com a expansão urbana e a pecuária intensiva, a bocaiuva não corre risco de extinção, mas, para que o desenvolvimento econômico se mantenha, precisamos divulgar a importância da bocaiuva como alimento e de como o seu uso na agricultura familiar gera renda a muitas famílias.

| Mato Grosso do Sul

Nome:
Email:
Site:
Escreva seu comentário:
Luciana Nassar
Muito boa matéria. Bocaiuva tem sabor de infância, também chamado de chicle de bugre.
Paulo Dybowski
Olá, meu nome é Paulo, sou de Campos dos Goytacazes / RJ. Morei em Corumbá / MS e sou amante da Bocaiuva. Tentei comprar as frutas e mudas por sites, mas até agora não consegui. Alguém sabe informar de fato onde consigo adquirir as frutas e as mudas, para plantar aqui na mi há região? Desde já agradeço a atenção. Paulo Dybowski WhatsApp (22) 9 9778 9053