Categories
Oriente-se

Consumismo: Ter menos coisas te faz uma pessoa mais feliz?

O consumismo se mostra uma dos maiores vilões da sociedade moderna impactando diretamente no nosso meio ambiente e antecipando a cada ano o dia de sobrecarga da terra.

Todos os dias, a mensagem visando despertar nosso consumismo é a mesma: compre isso para ficar mais bonita, adquira aquilo para ter sucesso… e assim vamos juntando coisas que nos deixam radiantes, né? Por incrível que pareça não! Isso não nos deixa realmente felizes! É exatamente o oposto.

Todas essas coisas nos vendem promessas vazias. Ter pra falar que tem e logo caminhamos para um desastre.

O consumismo exagerado e os perigos

Os estudos feitos pela Global Footprint Network, responsável por avaliar os impactos ambientais, revelam que, a cada ano, a humanidade precisa de 1,7 planeta para se recuperar do uso excessivo de seus recursos naturais e da poluição causada por ela mesma.

Essa realidade é tão chocante que está se abrindo espaço para o minimalismo. Não estamos falando apenas de morar em lugar menor ou ter poucos móveis…e sim, de repensar os próprios valores.



Mas o conceito, no geral, não é só uma preocupação com o meio ambiente. É um estilo de vida visando fazer escolhas conscientes, onde reduzir as suas posses te dá uma visão do que realmente tem valor na sua vida.

Nem luxo nem lixo

O mundo hoje nos vende a ideia de que é preciso comprar muitas coisas para facilitar a vida, trazer conforto e praticidade, mas na verdade só está fazendo as pessoas estocarem cada vez mais bens desnecessários.



Consumismo

Mas se algo não lhe é útil, não lhe faz bem ou não lhe serve, por que você ainda se apega a isso? Ok, o consumismo faz parte da nossa realidade, mas isso não quer dizer que não possamos consumir de maneira mais consciente. Já pensou em adotar esse estilo de vida?

Aqui vão algumas dicas!

  • Antes de começar, faça uma lista das coisas que você acha essencial.  
  • Não seja radical. O processo de adaptação é gradativo e lidar com apego é lidar com emoções.
  • Não mantenha coisas que comprou e nunca usou por pensar que gastou dinheiro com aquilo. O dinheiro não voltará e você com certeza já percebeu que não precisa daquilo.
  • Transforme o apego em boas ações, o que você não usa pode servir para alguém. Doe.
  • A ideia é não acumular, e serve também para problemas e funções. Defina o que fazer no seu dia e organize-se para tornar tudo mais leve.
  • Pesquise de onde vêm as coisas que você compra. Que tal priorizar as compras de pessoas que produzem? Você ajuda a desenvolver o comércio local e, ainda, não compactua com possíveis testes em animais, trabalho escravo e, de quebra, empodera mais pessoas e menos corporações.
  • Você vai mesmo ver novamente o filme que gravou em HD? Vai ouvir as músicas que baixou na adolescência? E ficar revendo a foto do ex? Parece que tudo isso está só ali esquecido na gaveta. 
  • Leve esse estilo para fora da sua casa… Se você pode ir de bike ao trabalho ou levar seu almoço de casa e se tem liberdade de decorar seu escritório ou mesa de trabalho de forma a ter um ambiente clean, além de tranquilo e menos poluído, usar disso pode aumentar sua disposição e criatividade e evita distrações.
  • Troque coisas por experiências. Destine seu dinheiro a viagens, lugares diferentes, pessoas para conhecer. Faça lista das coisas que você sempre quis fazer e não fez até hoje. 
  • Sempre reavalie as suas prioridades na vida. Reflexão é o melhor caminho para o equilíbrio mente + corpo + alma.

Ou seja, minimalismo é sobre dar significado ao que possuímos. Vivemos em um sistema onde tudo é feito para nos sentirmos insatisfeitos e consumir mais e mais, e ir na contramão dessa ideia pode ser uma experiência bem legal e saudável! Até porque o importante é ter saúde para gozar no final.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *