Categories
Mato Grosso do Sul

Igrejas mais antigas de Campo Grande

Construções que fazem parte da história e estão entre as mais antigas de Campo Grande, que hoje se expandiram e se tornaram grandes atrativos.

Com certeza, se nunca frequentou, você já ouviu falar delas, as igrejas mais antigas de Campo Grande.

Igreja Santo Antônio

Primeiramente, aos desavisados, Santo Antônio é o padroeiro de Campo Grande.

Conforme a história, diz-se que o fundador da cidade, José Antônio Pereira, era devoto do santo e, durante sua viagem de Minas Gerais até o arraial, passou por Santana de Paranaíba, que vivia uma epidemia de uma “febre maligna“.

José Antônio, que era “prático” de farmácia e homeopata, permaneceu no local tempo suficiente para acabar com a epidemia.

Por isso, ele prometeu que, se não houvesse nenhuma fatalidade, construiria uma igreja em honra ao santo.

Assim que chegou à região Campo Grande deu início à construção da igreja de Santo Antônio, que foi inaugurada em março de 1878 pelo padre Julião Urquia, de Nioaque.

Em agosto de 1912, aconteceu a chegada da imagem de Abadia, trazida pelos mineiros, fundadores da cidade.

Então, a imagem foi levada em procissão até a Igreja Santo Antônio, sua primeira morada.

No início do século 20, no entanto, a igreja de alvenaria foi demolida e novamente construída na década de 1970.

No fim da década de 1980, passou por uma última grande construção, dando os atuais contornos da Catedral.

Com isso, foi consagrada como Catedral Metropolitana em 17 de outubro de 1991, por ocasião da visita pastoral do Papa João Paulo 2º.

Atualmente, a imagem de Santo Antônio encontrada na igreja ainda é a original, trazida pelo fundador da cidade.

Perpétuo Socorro

A igreja Perpétuo Socorro está localizada na Avenida Afonso Pena e, sob os cuidados da Congregação do Santíssimo Redentor dos Missionários Redentoristas, foi inaugurada no dia 3 de agosto de 1941.

Porém, a construção da paróquia teve início em 1939, por meio do projeto do bispo de Corumbá Dom Vicente Priante.

Entre as igrejas, a Perpétuo Socorro é a construção mais antiga de Campo Grande.

Segundo o responsável técnico do projeto, o então prefeito Joaquim Teodoro de Faria, a obra foi inspirada na arte bizantina da Basílica de Santo Apolinário em Classe, localizada em Ravena, cidade italiana.

Em 1999, a igreja tornou-se Santuário, acontecimento que vem apenas quando há apreço pelas relíquias do espaço – normalmente o padroeiro de uma cidade ou Estado – e pela aglomeração de devotos.

Em 2017, um projeto de lei estabeleceu a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro como padroeira de Mato Grosso do Sul e, assim, a igreja tornou-se Santuário Estadual.

O atual prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), publicou um decreto que tomba o conjunto arquitetônico do Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro como patrimônio histórico e arquitetônico para Campo Grande.

Desta forma, está proibido demolir, destruir, alterar, mutilar ou transformar, sem prévia licença do Poder Executivo Municipal, bem como reparar, pintar ou restaurar os espaços do local.

São José

Considerada uma das igrejas mais antigas de Campo Grande, a Paróquia de São José é um patrimônio histórico e cultural da capital.


A Igreja São José foi construída em 1927, pelos salesianos.

O padre João Crippa foi quem abençoou o oratório voltado para os jovens, em 8 de maio de 1927, dando início à capelinha, onde localiza-se hoje a Capela da Sagrada Família, totalmente reconstruída.

O atual prédio começou a ser construído em 1939 e seu término aconteceu mais de dez anos depois, após a morte do padre João Crippa, em 1941.

O templo foi inaugurado em 24 de março de 1949, quando a igreja se tornou paróquia e, em 2019, comemorou 70 anos.

No dia 24 de maio de 1958, com a posse de Dom Antônio Barbosa como primeiro bispo de Campo Grande, a São José se transformou em catedral provisória.

Este título prevaleceu até 1991, quando o Papa João Paulo 2º instalou a catedral definitivamente na Igreja de Santo Antônio.

Igreja de São Benedito

A Igreja São Benedito, em Campo Grande-MS, foi tombada por sua importância cultural.

A história da comunidade envolve a Tia Eva, mulher negra, alforriada em 1887, aos 49 anos de idade, mãe de três filhas que saiu de Mineiros, no estado de Goiás.

Ela veio para o antigo estado de Mato Grosso, em 1905, onde criou a Comunidade Quilombola de São Benedito.

No caminho para Campo Grande, Tia Eva tinha uma ferida na perna que não cicatrizava.

Por isso, fez uma promessa a São Benedito, a quem era devota: caso ele a curasse, construiria no lugar de moradia uma igreja.

Então, ela construiu uma capela em agradecimento ao santo e concluiu a igrejinha em 1912, demolida e substituída por uma de alvenaria em 1919.

Tia Eva está enterrada dentro desta pequena igreja, a mais antiga de Campo Grande.

São Francisco

Em 12 de dezembro de 1950 foram construídos a igreja e o convento São Francisco de Assis, construção entre as mais antigas de Campo Grande.

A primeira missa campal foi celebrada com a presença do então prefeito da cidade, Fernando Corrêa da Costa.

Na ocasião, ele disse: “A partir dessa data, o bairro Cascudo passa a se chamar Bairro São Francisco”.

A fachada da Igreja São Francisco de Assis é hoje um dos mais belos cartões-postais de Campo Grande.

Nela, os vitrais e a imagem do santo no alto da igreja contam a história da vida de São Francisco de Assis.

Atualmente, são quase 70 anos de existência da paróquia, que tem uma estrutura incrível, com horta, convento, capela e dormitórios.

Porém, ainda antes de 1950, no ano de 1941, a primeira casa dos franciscanos em Mato Grosso do Sul se localizava na Rua Antônio Maria Coelho, 804.

Assembleia de Deus

A Igreja Assembleia de Deus em Campo Grande foi fundada pelo pastor Juvenal Roque de Andrade, no dia 22 de outubro de 1944, quando a cidade ainda fazia parte do Estado de Mato Grosso.


A primeira diretoria foi criada para administrar a igreja, suas diversas atividades, e, entre elas, destacavam-se os cultos nos lares e praças.

Em abril de 1952, foi construída uma sede própria, localizada na avenida Afonso Pena, onde funciona atualmente a concessionária de automóveis Discautol.

Em 1972, a Igreja passou por divergências de pensamentos administrativos e surgiram as denominações: Mato Grosso e Missões.

A Igreja ADM – Assembléia de Deus Missões construiu seu novo templo sede, inaugurado em 1986, localizado no mesmo endereço até hoje.

Leia mais: aquelemato.org/mato-grosso-do-sul-e-as-manifestacoes