Apaixonados que somos pelas nossas aves do Pantanal, já falamos aqui do tuiuiú, da seriema, da arara-azul, da arara-canindé, do mutum, do tucano-toco, do uturau… e a lista não para de crescer.

Porém, as aves do Pantanal não são as únicas que se destacam no nosso bioma.

Isso porque algumas aves migratórias, que apresentam incrível capacidade de percorrer longas distâncias, acabam dando um rolê por aqui durante o inverno, em busca de uma alimentação farta e um clima mais ameno.

O alimento abundante propicia a essas aves a garantia de engorda, aquisição de energia suficiente para efetuar a muda das penas e retorno ao seu sítio de reprodução.

Algumas dessas aves migratórias se destacam e é delas que vamos falar!

Entre essas aves que migram para o Pantanal tem, por exemplo, as cabeças-secas (Mycteria americana) e os colhereiros (Platalea ajaja), que migram conforme a subida e a descida das águas do Pantanal.

Outras realmente fogem do clima de seus países, pois o Pantanal é conhecido como uma área importante para sítio reprodutivo de várias espécies de aves.

Photo credit: Bill Gracey 24 Million Views on Visualhunt.com / CC BY-NC-ND

Águia-Pescadora (Pandion haliaetus)

Originária da América do Norte, a águia-pescadora viaja centenas de quilômetros em busca de temperaturas mais amenas e é no Pantanal onde se sente mais confortável para repor as energias e poder voltar renovada ao seu habitat natural.


Photo credit: Photomatt28 on VisualHunt.com / CC BY-NC-ND

Talha-mar (Rynchops niger)

Também fortemente conhecida na América do Norte, a ave talha-mar viaja pela América do Sul, partindo para o Pantanal em busca de abrigo, retornando logo após suas “férias” para o local de origem.


Photo credit: Cláudio Dias Timm on Visual hunt / CC BY-NC-SA

Batuiruçu (Pluvialis dominica)

O batuiruçu se estende por toda a Tunda Ártica, que envolve Escandinávia, Sibéria, Alasca, Canadá e Gronelândia, assim como no norte da América do Norte até os campos e regiões praieiras do sul da América do Sul.


No Pantanal, quando ela migra, pode ser observada nas baías salinas e na região do rio Negro.


Photo credit: Mary Keim on Visual hunt / CC BY-NC-SA

Pernilongo-de-costas-negras (Himantopus mexicanus)

O pernilongo-de-costas-negras é nativo numa grande área, que vai da Califórnia, Golfo do México ao leste, na Flórida e dali até ao sul do Peru, Região Norte do Brasil e Ilhas Galápagos.

Mesmo sendo conhecido por ser sedentário e por ter movimentos de pouca distância, o pernilongo-de-costas-negras migra até o Pantanal entre julho e novembro, retornando em março-maio.

É amplamente distribuído na porção central do Pantanal e na região do rio Negro.


Pantanal - destino para aves migratórias
Photo credit: @Michael on VisualHunt / CC BY-NC-ND

Maçarico-grande-de-perna-amarela e Maçarico-de-perna-amarela
(Tringa melanoleuca e T. flavipes)

O maçarico-grande-de-perna-amarela e o maçarico-de-perna-amarela
se reproduzem no Ártico, do Alasca ao leste do Canadá, migrando através da Baía James, Columbia Britânica, México, Américas Central e do Sul, até a Terra do Fogo (Piersma et al. 1996).

As maiores concentrações dessas aves foram encontradas nas baías das regiões das Baías e Salinas e na Nhecolândia.


Pantanal - destino para aves migratórias
Photo credit: nickavarvel on Visualhunt / CC BY

Maçarico-do-campo (Bartramia longicauda)

O maçarico-do-campo costuma fazer seus ninhos e se reproduzir na América do Norte, mas migra em direção aos ecossistemas campestres após a fase de reprodução.

Então, ele pode ocorrer no Pantanal apenas como uma ave migratória ou como residente durante o inverno.

O maçarico-do-campo prefere habitats com gramíneas, como pradarias, pastagens, campos cultivados e naturais, pampas e até mesmo campos de aviação e de golfe. Ocorre no Pantanal como migrante e, possivelmente, também como residente de inverno.


Pantanal - destino para aves migratórias
Photo credit: hankplank on VisualHunt.com / CC BY-NC-ND

Maçarico-de-colete (Calidris melanotos)

O maçarico-de-colete ocorre desde a Península de Taymyr, na Sibéria, Alasca e toda a região ártica canadense até o oeste da Baía Hudson.

Depois da época de reprodução, ele migra pela costa atlântica e pacífica para áreas de invernada na América do Sul.

Como a área de invernada estende-se através de todo o Pantanal e ao sul dessa região, pode também ter indivíduos ocasionalmente presentes durante o inverno austral.

Ele pode ser observado na região das Baías e Salinas e na região do rio Negro.


Pantanal - destino para aves migratórias
Photo credit: seabamirum on VisualHunt.com / CC BY

Maçarico-acanelado (Tryngites subruficollis)

Em geral, o maçarico-acanelado segue uma rota sem escalas através do interior da América do Norte, províncias costeiras canadenses, cruzando o Golfo do México, até alcançar o norte da América do Sul.


Ele voa pelo interior do continente, com áreas de invernada no sudeste da Bolívia, Paraguai, sul do Brasil e norte da Argentina.

Prefere habitats abertos com gramíneas baixas e pode ser vista na região das Baías e Salinas e na Nhecolândia.


Além das aves migratórias de outros países, as espécies da Amazônia também migram para o Pantanal.

Aves como a curica (Amazona amazónica), a esmeralda-de-cauda-azul (Chlorostilbon mellisugus), o mutum-cavalo (Pauxi tuberosa), a garça-da-mata (Agamia agami), o gavião-de-anta (Captrius ater), o araçari-miudinho-de-bico-riscado (Pteroglossus inscriptus) e o alegrinho-do-rio (serpophada hypoleuca), até algum tempo avistadas somente na Amazônia, estão descendo o Rio Paraguai e indo para o Pantanal.

|

Animais Silvestres, Bioma Pantanal / Cerrado

Nome:
Email:
Site:
Escreva seu comentário: