Categorias
Animais Silvestres

Em busca da perereca que brilha, ela estava bem aqui!

Pesquisadores do Brasil e da Argentina publicaram um estudo no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences sobre um anfíbio noturno que brilha no escuro em tons esverdeados.

Trouxemos a perereca que brilha, Mateiro!

Pois é, se liga nessa descoberta incrível!

Primeiramente, pesquisadores do Brasil e da Argentina publicaram um estudo no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences sobre um anfíbio noturno.

Mas não é qualquer anfíbio, é uma perereca que brilha (Hypsiboas punctatus) no escuro em tons esverdeados.

Ou seja, ela é a primeira espécie vertebrada terrestre conhecida a possuir esta característica.

Pra melhorar, ela é natural do nosso Pantanal.

Além dos países vizinhos que compartilham do mesmo bioma, como Argentina e Paraguai.

Brilho pode ser usado para animais se comunicarem

À primeira vista, sob a luz do dia, a perereca que bilha mostra uma coloração que mistura tons verdes, amarelos e vermelhos.

Mas, ao cair a noite, este anfíbio apresenta o seu brilho, esverdeado e azulado, sob a luz do luar.

Assim, essa fluorescência é a habilidade de absorver radiação com comprimento de onda menor do que a luz visível e reemiti-la em comprimentos de onda maiores, visíveis ao olho humano.

Essa é uma habilidade extremamente rara, principalmente em animais terrestres.

Ou seja, nunca foi encontrada em nenhuma das cerca de 7.600 espécies de anfíbios conhecidos.

Mas algumas espécies de peixes cartilaginosos e tartarugas marinhas possuem essa característica.

Assim como insetos e alguns pássaros.

Em relação à perereca, ainda quase não se sabe sobre o seu sistema visual.

Por isso, ainda não podemos determinar se ela sabe dessa habilidade que possui.

Mas a teoria dos estudiosos é que essa função ecológica da perereca que brilha é para se comunicar visualmente.

Primeira perereca que brilha no mundo é brasileira

Seja como for, a descoberta da primeira perereca fluorescente do mundo aconteceu por acaso.

Pois foi quando o herpetólogo argentino da Universidade de Buenos Aires Carlos Taboada resolveu procurar na H. punctatus uma fluorescência vermelha.

Isso porque o animal possui o pigmento biliverdina, que dá aos anfíbios a coloração verde.

Mas que em alguns insetos emite a fluorescência vermelha.

Assim, ele fez testes com raios ultravioleta e se deparou com a intensidade do seu brilho verde.

Segundo ele, onde há pouca luz, a espécie emite um brilho verde muito forte.

Já na natureza, as pererecas absorvem a luz da Lua

Inclusive, outras 250 espécies de rã têm a pele parecida com esta.

Dessa forma, vem o questionamento:

Será que elas também podem possuir essa fluorescência?

Bom, seria bem interessante se a perereca-onça fosse uma das que brilham também, né?

Desde já estamos imaginando rsrs

Agora diz aí o que você acha?

Ficou curioso pra encontrar a perereca que brilha?

Com certeza, né?

Bom, comenta aí.

A gente se vê.

Tchaau!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *