Skip to content

Das mais de 300 espécies de abelhas existentes em nosso país, o destaque hoje aqui é a Tubuna, ou melhor, a “enrola-cabelo”. Conhece? Aquela abelha que não tem ferrão, mas gruda e, não satisfeita, ainda mordisca sua vítima.

Tubuna
Foto: Julio Pupim

Tubuna é agressiva e sabe se defender 

Encontrada em vários estados do Brasil, a Tubuna pertence ao grupo das Trigonas (sem ferrão).

Ela recebe esse carinhoso apelido de enrola-cabelo porque, ao se sentir ameaçada, solta um grude para se defender, atacando diretamente nos cabelos.

Ainda para ter certeza que é a campeã deste combate, usa suas mandíbulas para mordiscar sua vítima.

Além de excelente na autodefesa, ela pode viajar mais de 1 km à procura de uma nova morada: caixas de madeira velha, ocos em árvores e muros, concentrando seus trabalhos pela manhã para evitar as horas mais quentes do dia. Entendemos bem esse sentimento diante do sol sul-mato-grossense, né?!

Como vemos comumente por nossos caminhos, seu ninho é construído com cerume escuro e tem o formato da entrada como um tubo, um funil ou uma trombeta. Essa arquitetura é estratégica para permitir a passagem simultânea de várias abelhas.

Tubuna
Foto: Amanda Perin Marcon

É bem fácil identificar essa espécie, pois seu corpo apresenta coloração negra e brilhante, com asas e abdômen da mesma cor, com uma lista ou 2 pontos prata. Embora seja de pequeno porte, a Tubuna é considerada uma grande produtora de mel, atingindo de 2,5 a 3,0 cm de altura e circundando o favo de cria.

Mas você já sabe, melhor usar um chapéu se planeja mexer com ela!

Aquele Mato

Somos a Lua e o Diogo. Dois sul-mato-grossenses que criaram este espaço pra falar do nosso amor pelo Estado e mergulhar na nossa cultura. Queríamos um lugar não só para os amantes da natureza e das nossas belezas, mas também para quem se interessa pela história e quer ler, pensar e trocar experiências vividas por aqui.

Artigos relacionados

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

6 thought on Abelha sem ferrão, mas que gruda nos cabelos

    • Boa tarde.
      Iscas feitas de garrafa pet ou mesmo ninhos iscas são muito eficientes na captura, desde que haja essa espécie na sua região.
      Para saber se existe na sua região, procure um meliponicultor do seu estado.
      Lembrando que inserir uma espécie de abelha que não existe na sua região é crime ambiental.
      Abraço e boas capturas.

  • Procurando informações sobre abelhas descobri sem querer que tenho um exame de tubuna no meu quintal aqui as pessoas falam que abelhas pretas não produzem mel por isso nunca mexi na colmeia elas me ajudam polinizando as árvores frutíferas, florada das abóboras…pensando em comprar caixas pra criar e aumentar a população

  • Essas malditas não me deixam em paz, enrolam no meu cabelo, no pelo do meu cachorro, vem de bando para dentro de casa… Elas mordem ou sei lá o que… Não aguento mais, preciso eliminar cada uma delas

  • Fui atacada por essas lazarentas fui parar no hospital, cheia de vergões gigantes e com coceira intensa.Fiquei cheia de cicatrizes que coçam muito ainda.

Abelha sem ferrão, mas que gruda nos cabelos

Das mais de 300 espécies de abelhas existentes em nosso país, o destaque hoje aqui é a Tubuna, ou melhor, a “enrola-cabelo”. Conhece? Aquela abelha que não tem ferrão, mas gruda e, não satisfeita, ainda mordisca sua vítima.

Tubuna
Foto: Julio Pupim

Tubuna é agressiva e sabe se defender 

Encontrada em vários estados do Brasil, a Tubuna pertence ao grupo das Trigonas (sem ferrão).

Ela recebe esse carinhoso apelido de enrola-cabelo porque, ao se sentir ameaçada, solta um grude para se defender, atacando diretamente nos cabelos.

Ainda para ter certeza que é a campeã deste combate, usa suas mandíbulas para mordiscar sua vítima.

Além de excelente na autodefesa, ela pode viajar mais de 1 km à procura de uma nova morada: caixas de madeira velha, ocos em árvores e muros, concentrando seus trabalhos pela manhã para evitar as horas mais quentes do dia. Entendemos bem esse sentimento diante do sol sul-mato-grossense, né?!

Como vemos comumente por nossos caminhos, seu ninho é construído com cerume escuro e tem o formato da entrada como um tubo, um funil ou uma trombeta. Essa arquitetura é estratégica para permitir a passagem simultânea de várias abelhas.

Tubuna
Foto: Amanda Perin Marcon

É bem fácil identificar essa espécie, pois seu corpo apresenta coloração negra e brilhante, com asas e abdômen da mesma cor, com uma lista ou 2 pontos prata. Embora seja de pequeno porte, a Tubuna é considerada uma grande produtora de mel, atingindo de 2,5 a 3,0 cm de altura e circundando o favo de cria.

Mas você já sabe, melhor usar um chapéu se planeja mexer com ela!

Aquele Mato

Somos a Lua e o Diogo. Dois sul-mato-grossenses que criaram este espaço pra falar do nosso amor pelo Estado e mergulhar na nossa cultura. Queríamos um lugar não só para os amantes da natureza e das nossas belezas, mas também para quem se interessa pela história e quer ler, pensar e trocar experiências vividas por aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

6 thought on Abelha sem ferrão, mas que gruda nos cabelos

    • Boa tarde.
      Iscas feitas de garrafa pet ou mesmo ninhos iscas são muito eficientes na captura, desde que haja essa espécie na sua região.
      Para saber se existe na sua região, procure um meliponicultor do seu estado.
      Lembrando que inserir uma espécie de abelha que não existe na sua região é crime ambiental.
      Abraço e boas capturas.

  • Procurando informações sobre abelhas descobri sem querer que tenho um exame de tubuna no meu quintal aqui as pessoas falam que abelhas pretas não produzem mel por isso nunca mexi na colmeia elas me ajudam polinizando as árvores frutíferas, florada das abóboras…pensando em comprar caixas pra criar e aumentar a população

  • Essas malditas não me deixam em paz, enrolam no meu cabelo, no pelo do meu cachorro, vem de bando para dentro de casa… Elas mordem ou sei lá o que… Não aguento mais, preciso eliminar cada uma delas

  • Fui atacada por essas lazarentas fui parar no hospital, cheia de vergões gigantes e com coceira intensa.Fiquei cheia de cicatrizes que coçam muito ainda.

Artigos relacionados

ARTE DE INDÍGENAS DE MS EXPRESSÕES DO PANTANAL Curiosidades sobre o Pantanal Músicas de MS que não podem faltar no karaokê A maior dolina da América do Sul