Nada de jogar bitucas no chão. É hora de dar a destinação ambientalmente correta e transformar cigarro em adubo.

Esse o processo recebe o nome de vermicompostagem, que transforma resíduos orgânicos em composto de alta qualidade, utilizando minhocas.

A ideia é interessante e pode ser feita em pouco tempo, tanto em casa quanto em grande escala.

O que é vermicompostagem?

A vermicompostagem é uma maneira incrível, fácil e rápida de transformar resíduos orgânicos em pouco tempo, pela utilização de minhocas.

Há tempos, a minhocultura vem desempenhando um importante papel para todo o setor agrícola e já é do conhecimento de todos a importância das minhocas para a fertilização e recuperação dos solos.

E, na técnica da vermicompostagem, a minhoca é utilizada para degradar a matéria orgânica presente no resíduo, em um processo muito mais rápido que a compostagem tradicional, pois elas aceleram a decomposição da matéria orgânica.

As minhocas conseguem ingerir terra e matéria orgânica equivalente ao seu próprio peso e digerem e expelem até 60% do que comeu sob forma de húmus, um rico fertilizante que facilita a decomposição por micro-organismos decompositores.

O húmus possui inúmeros minerais que são absorvidos pelas plantas. Ele tem pH neutro, que permite que o adubo seja colocado diretamente sobre raízes das plantas sem causar danos a elas, como queimaduras.


Além disso, o húmus promove o desenvolvimento de uma grande população de micro-organismos.

Por isso, a vermicompostagem resulta em um composto de melhor qualidade do que o formado na compostagem tradicional.

Como fazer vermicompostagem

Para fazer a vermicompostagem são necessários apenas três componentes: o vermicompostor, minhocas e os resíduos orgânicos, no caso aqui, as bitucas de cigarro.

O vermicompostor pode ser construído tendo por base uma caixa de madeira com tampa.

Para melhor drenagem e ventilação, é ideal que a caixa tenha alguns orifícios no fundo e nas paredes laterais. Assim como uma tampa, para manter a umidade e evitar a proliferação de insetos.

As minhocas vermelhas (pertencentes às espécies Eisenia foetida ou Lumbricus rubellus) são as mais adequadas para fazer a vermicompostagem.

Essas minhocas crescem e se reproduzem facilmente em espaços pequenos.

A preocupação com o meio ambiente e com o desenvolvimento sustentável aumenta a procura pela vermicompostagem.

As vantagens são:

  • Não é agressivo para o meio ambiente;
  • Não contamina solo e água, como os fertilizantes químicos;
  • Enriquece o solo com nutrientes;
  • É uma grande fonte de nutrientes para as plantas;
  • Controle da toxicidade do solo, corrigindo excessos de alumínio, ferro e manganês;
  • Aumento da resistência das plantas a pragas e doenças;
  • Maior absorção dos nutrientes pelas raízes das plantas;
  • Favorece a entrada de ar e circulação de água no solo;
  • Melhora a estrutura do solo;
  • Propicia produção de alimentos mais saudáveis;
  • Produção de adubo de alta qualidade.

Em Mato Grosso do Sul, já há um projeto para a construção de um espaço destinado à vermicompostagem, visando transformar cigarros apreendidos pela Receita Federal em material biológico.

A busca pela vermicompostagem é uma alternativa ao processo existente de incineração, que causa sérios danos à saúde dos servidores e impactos significativos ao ecossistema.


A execução desse projeto é uma parceria entre UEMS e Receita Federal e é um marco no processo de destinação ambientalmente segura desse material.

Bem legal, né? Ponto para todos os envolvidos e sorte a nossa, cidadãos sul-mato-grossenses.

|

Oriente-se

Nome:
Email:
Site:
Escreva seu comentário: