Skip to content

O primeiro nome dado à região do Pantanal foi Mar dos Xaraés.

O Pantanal foi denominado mar pelos primeiros colonizadores europeus na região e deram o nome de Xaraés.

Isso por causa dos habitantes do Pantanal na época: os povos indígenas Xaraés.

Inicialmente, esses povos se concentravam nas nascentes do rio Paraguai e eram possuidores de muito ouro e prata.

A água que cobria do Caribe ao Uruguai se estendia por toda a região, em Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Amazonas e Acre.

Assim, os colonizadores descreviam a paisagem comparando-a com o paraíso quase inalcançável pelos simples mortais.

Exceto pelos poucos, bravos e fortes conquistadores.

Pantanal – a ilha

A ideia do mar de Xaraés, na região antes inexistente para o resto do mundo, ganhou realidade e passou a ser desenhada em mapas holandeses, alemães e italianos como uma ilha, abraçada pelos rios Amazonas e Prata.

Lagoa dos Xaraés e a ilha dos Orelhões (1732)

A imensidão das águas pantaneiras confundia tanto os antigos viajantes que até Monteiro Lobato usou o termo Mar de Xaraés para explicar o passado.

O que foi Mato Grosso em épocas remotíssimas? Um mar. Um fundo de mar […] Mato Grosso constitui uma parte do fundo do mar de Xaraés”.

Dessa forma, a teoria ganhou força com um estudo sobre a evolução de organismos marinhos realizado por pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) e publicado na revista científica PLoS One.

Conforme o estudo, a salinidade do lugar, com rios de água salobra e salinas, decorrentes do mar de Xaraés.

Além disso, até recentemente foram encontrados fósseis marinhos, conchas e baías de água salgada.

Crença que permanece no pantaneiro

Apesar de a crença permanecer no linguajar pantaneiro até hoje, existem investigações geológicas que indicam que tudo não passa de um engano e nunca houve mar na região.

Alguns arqueólogos dizem que não houve a existência de petróleo e muito menos evidências marinhas na região.

Segundo ele, as conchas encontradas são de água doce e as chamadas “lagoas salinas” são, na verdade, águas bicarbonatadas, sem nenhuma relação com a água do mar.

Bom, ainda existem muitos mistérios na existência e, se não foi nem lago nem mar, é preciso ainda dizer que tampouco o Pantanal é um pântano.

Os habitantes da região se referiam às primeiras áreas inundadas pelos rios como pantanais e o nome acabou pegando, mesmo sabendo hoje que Pantanal não é simplesmente um terreno brejoso, mas uma vasta região, marcada por mistérios e formas de vidas rudimentares.

Nosso verdadeiro santuário ecológico.


APOIE AQUELE MATO

Se quiser continuar acompanhando nosso conteúdo e nos ver florescer, colabore com o nosso trabalho PicPay ou pelo Apoia-se.

Os recursos são usados para a manutenção do blog e para manter o acesso gratuito a todos.

Aquele Mato

Somos a Lua e o Diogo. Dois sul-mato-grossenses que criaram este espaço pra falar do nosso amor pelo Estado e mergulhar na nossa cultura. Queríamos um lugar não só para os amantes da natureza e das nossas belezas, mas também para quem se interessa pela história e quer ler, pensar e trocar experiências vividas por aqui.

Artigos relacionados

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

A

Mar de Xaraés – Por que o Pantanal tinha esse nome?

O primeiro nome dado à região do Pantanal foi Mar dos Xaraés.

O Pantanal foi denominado mar pelos primeiros colonizadores europeus na região e deram o nome de Xaraés.

Isso por causa dos habitantes do Pantanal na época: os povos indígenas Xaraés.

Inicialmente, esses povos se concentravam nas nascentes do rio Paraguai e eram possuidores de muito ouro e prata.

A água que cobria do Caribe ao Uruguai se estendia por toda a região, em Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Amazonas e Acre.

Assim, os colonizadores descreviam a paisagem comparando-a com o paraíso quase inalcançável pelos simples mortais.

Exceto pelos poucos, bravos e fortes conquistadores.

Pantanal – a ilha

A ideia do mar de Xaraés, na região antes inexistente para o resto do mundo, ganhou realidade e passou a ser desenhada em mapas holandeses, alemães e italianos como uma ilha, abraçada pelos rios Amazonas e Prata.

Lagoa dos Xaraés e a ilha dos Orelhões (1732)

A imensidão das águas pantaneiras confundia tanto os antigos viajantes que até Monteiro Lobato usou o termo Mar de Xaraés para explicar o passado.

O que foi Mato Grosso em épocas remotíssimas? Um mar. Um fundo de mar […] Mato Grosso constitui uma parte do fundo do mar de Xaraés”.

Dessa forma, a teoria ganhou força com um estudo sobre a evolução de organismos marinhos realizado por pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) e publicado na revista científica PLoS One.

Conforme o estudo, a salinidade do lugar, com rios de água salobra e salinas, decorrentes do mar de Xaraés.

Além disso, até recentemente foram encontrados fósseis marinhos, conchas e baías de água salgada.

Crença que permanece no pantaneiro

Apesar de a crença permanecer no linguajar pantaneiro até hoje, existem investigações geológicas que indicam que tudo não passa de um engano e nunca houve mar na região.

Alguns arqueólogos dizem que não houve a existência de petróleo e muito menos evidências marinhas na região.

Segundo ele, as conchas encontradas são de água doce e as chamadas “lagoas salinas” são, na verdade, águas bicarbonatadas, sem nenhuma relação com a água do mar.

Bom, ainda existem muitos mistérios na existência e, se não foi nem lago nem mar, é preciso ainda dizer que tampouco o Pantanal é um pântano.

Os habitantes da região se referiam às primeiras áreas inundadas pelos rios como pantanais e o nome acabou pegando, mesmo sabendo hoje que Pantanal não é simplesmente um terreno brejoso, mas uma vasta região, marcada por mistérios e formas de vidas rudimentares.

Nosso verdadeiro santuário ecológico.


APOIE AQUELE MATO

Se quiser continuar acompanhando nosso conteúdo e nos ver florescer, colabore com o nosso trabalho PicPay ou pelo Apoia-se.

Os recursos são usados para a manutenção do blog e para manter o acesso gratuito a todos.

Aquele Mato

Somos a Lua e o Diogo. Dois sul-mato-grossenses que criaram este espaço pra falar do nosso amor pelo Estado e mergulhar na nossa cultura. Queríamos um lugar não só para os amantes da natureza e das nossas belezas, mas também para quem se interessa pela história e quer ler, pensar e trocar experiências vividas por aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

Artigos relacionados

ARTE DE INDÍGENAS DE MS EXPRESSÕES DO PANTANAL Curiosidades sobre o Pantanal Músicas de MS que não podem faltar no karaokê A maior dolina da América do Sul