Skip to content

Trilha e cachoeira no Morro do Ernesto

Trilha e cachoeira no Morro do Ernesto

Mateiro que é mateiro está sempre em busca de uma trilha e cachoeira!

Se você mora em Mato Grosso do Sul ou é um turista aventureiro, já deve ter ouvido falar do Morro do Ernesto, refúgio que fica a 20 km de Campo Grande.

Localizado na fazenda Córrego Limpo, região do Inferninho, o Morro do Ernesto é um dos morros para se aventurar em Mato Grosso do Sul.

Pra começar, uma vantagem é o fácil acesso, pela saída de Rochedo, em sentido à MS-080.

Logo na primeira entrada à direita existem placas de sinalização indicando o caminho para o morro.

Ao sair da MS-080, é só percorrer mais 6 quilômetros de estrada de chão até a fazenda, onde é possível encarar a trilha, desfrutar das cachoeiras e contemplar um pôr do sol de tirar o fôlego.

Apesar de ser propriedade particular, o local abre as portas e incentiva visitantes a conhecê-lo.

Inclusive, não é preciso agendar o passeio.

É só chegar, falar com o caseiro e preencher um cadastro rápido.

Os responsáveis pelo local cobram uma taxa de contribuição no valor de R$ 10 por pessoa.

Prepare-se para o Morro do Ernesto

Com uma vista de encher os olhos de quem está lá em cima, o morro do Ernesto é um prato cheio para trilheiros, amantes do ciclismo e também famílias e amigos que buscam uma aventura rápida e barata.

Contudo, a trilha é de dificuldade média, com mais de 2 km de subidas e descidas, porém, as pedras do morro são um obstáculo a mais.

Em média, a trilha no Morro do Ernesto leva em torno de 50 minutos até o topo, momento de contemplar a paisagem lá de cima, com vegetação em vários tons de verde e o céu com sua mistura de cores.

No fim de tarde, à esquerda, o sol se põe atrás da Serra de Maracaju, no oeste, enquanto no leste, a escuridão da noite começa a tomar conta do céu.

Na descida do Morro do Ernesto, é hora de ir às cachoeiras, indicadas por placas no local.

A fazenda possui cinco quedas d’água, algumas mais altas e com muitas pedras, e outras mais rasas e calmas.

Separamos aqui algumas dicas para uma trilha bem tranquila até o Morro.

Por que o nome Morro do Ernesto

Pra começar, o nome do morro é uma homenagem ao antigo dono da fazenda Córrego Limpo, Sr. Ernesto Campagna, o Seu Ernesto.

A princípio, um grupo que praticava parapente no local costumava brincar dizendo que o formato do morro lembrava a careca do Sr. Ernesto.

A família Campagna foi morar no local em 1973 e a fazenda só foi vendida depois da morte do Sr. Ernesto.

Felizmente, os novos donos continuam de portas abertas para os visitantes e cobram a taxa na entrada com objetivo custear futuras melhorias na estrutura do local.

Então, é hora de arrumar a mochila!

Lembrando que pode colocar seu pet na mala, porque o morro é pet friendly e convida os bichinhos a fazer parte dessa aventura.

E nunca é demais reforçar: leve seu lixo embora e respeite a natureza!

Fotos: Arthur Viana


APOIE AQUELE MATO

Se quiser continuar acompanhando nosso conteúdo e nos ver florescer, colabore com o nosso trabalho PicPay ou pelo Apoia-se.

Os recursos são usados para a manutenção do blog e para manter o acesso gratuito a todos.

Aquele Mato

Somos a Lua e o Diogo. Dois sul-mato-grossenses que criaram este espaço pra falar do nosso amor pelo Estado e mergulhar na nossa cultura. Queríamos um lugar não só para os amantes da natureza e das nossas belezas, mas também para quem se interessa pela história e quer ler, pensar e trocar experiências vividas por aqui.

Artigos relacionados

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

Trilha e cachoeira no Morro do Ernesto

Mateiro que é mateiro está sempre em busca de uma trilha e cachoeira!

Se você mora em Mato Grosso do Sul ou é um turista aventureiro, já deve ter ouvido falar do Morro do Ernesto, refúgio que fica a 20 km de Campo Grande.

Localizado na fazenda Córrego Limpo, região do Inferninho, o Morro do Ernesto é um dos morros para se aventurar em Mato Grosso do Sul.

Pra começar, uma vantagem é o fácil acesso, pela saída de Rochedo, em sentido à MS-080.

Logo na primeira entrada à direita existem placas de sinalização indicando o caminho para o morro.

Ao sair da MS-080, é só percorrer mais 6 quilômetros de estrada de chão até a fazenda, onde é possível encarar a trilha, desfrutar das cachoeiras e contemplar um pôr do sol de tirar o fôlego.

Apesar de ser propriedade particular, o local abre as portas e incentiva visitantes a conhecê-lo.

Inclusive, não é preciso agendar o passeio.

É só chegar, falar com o caseiro e preencher um cadastro rápido.

Os responsáveis pelo local cobram uma taxa de contribuição no valor de R$ 10 por pessoa.

Prepare-se para o Morro do Ernesto

Com uma vista de encher os olhos de quem está lá em cima, o morro do Ernesto é um prato cheio para trilheiros, amantes do ciclismo e também famílias e amigos que buscam uma aventura rápida e barata.

Contudo, a trilha é de dificuldade média, com mais de 2 km de subidas e descidas, porém, as pedras do morro são um obstáculo a mais.

Em média, a trilha no Morro do Ernesto leva em torno de 50 minutos até o topo, momento de contemplar a paisagem lá de cima, com vegetação em vários tons de verde e o céu com sua mistura de cores.

No fim de tarde, à esquerda, o sol se põe atrás da Serra de Maracaju, no oeste, enquanto no leste, a escuridão da noite começa a tomar conta do céu.

Na descida do Morro do Ernesto, é hora de ir às cachoeiras, indicadas por placas no local.

A fazenda possui cinco quedas d’água, algumas mais altas e com muitas pedras, e outras mais rasas e calmas.

Separamos aqui algumas dicas para uma trilha bem tranquila até o Morro.

Por que o nome Morro do Ernesto

Pra começar, o nome do morro é uma homenagem ao antigo dono da fazenda Córrego Limpo, Sr. Ernesto Campagna, o Seu Ernesto.

A princípio, um grupo que praticava parapente no local costumava brincar dizendo que o formato do morro lembrava a careca do Sr. Ernesto.

A família Campagna foi morar no local em 1973 e a fazenda só foi vendida depois da morte do Sr. Ernesto.

Felizmente, os novos donos continuam de portas abertas para os visitantes e cobram a taxa na entrada com objetivo custear futuras melhorias na estrutura do local.

Então, é hora de arrumar a mochila!

Lembrando que pode colocar seu pet na mala, porque o morro é pet friendly e convida os bichinhos a fazer parte dessa aventura.

E nunca é demais reforçar: leve seu lixo embora e respeite a natureza!

Fotos: Arthur Viana


APOIE AQUELE MATO

Se quiser continuar acompanhando nosso conteúdo e nos ver florescer, colabore com o nosso trabalho PicPay ou pelo Apoia-se.

Os recursos são usados para a manutenção do blog e para manter o acesso gratuito a todos.

Aquele Mato

Somos a Lua e o Diogo. Dois sul-mato-grossenses que criaram este espaço pra falar do nosso amor pelo Estado e mergulhar na nossa cultura. Queríamos um lugar não só para os amantes da natureza e das nossas belezas, mas também para quem se interessa pela história e quer ler, pensar e trocar experiências vividas por aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

Artigos relacionados

ARTE DE INDÍGENAS DE MS EXPRESSÕES DO PANTANAL Curiosidades sobre o Pantanal Músicas de MS que não podem faltar no karaokê A maior dolina da América do Sul