A afirmação de que Mato Grosso do Sul tem mais gado que gente tem sido recorrente e nos colocou pra pensar. Afinal, isso é verdade? E o que mais está desproporcional e afetando o nosso ecossistema?

Fizemos algumas comparações! Começando pelos gados.

O número de cabeças de gado no estado atingiu seu recorde e hoje é o quarto maior rebanho bovino do país, com mais de 21,4 milhões de animais.

A população atual de Mato Grosso do Sul atinge pouco mais de 2,7 milhões de habitantes.

Corumbá tem a segunda maior quantidade de gado e, no Estado, é seguida por Ribas do Rio Pardo, Aquidauana, Porto Murtinho e Três Lagoas.

Considerando todo o Pantanal, as cabeças de gado chegam a 4,7 milhões.

E não foi apenas o crescimento do rebanho sul-mato-grossense que se destacou nesses últimos tempos.

Comparando outros dados, temos estatísticas também alarmantes.

Mato Grosso do Sul tem…

Mais incêndios florestais que casa de shows sertanejo.

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Registro Naturais Renováveis (Ibama) registrou, entre 1º de janeiro e 12 de abril de 2019, 1.005 focos de incêndio em florestas e áreas de preservação de Mato Grosso do Sul.

O número representa 40% do total registrado em todo o ano de 2018, que teve 2.380 locais incendiados.

Mato Grosso do Sul tem…

Mais perda do bioma que de amigos pós-eleições.

Hoje vemos a Amazônia passando por uma crise específica, com as queimadas e crimes ambientais que resultarão em novos números.


Porém, no período 1985 a 2017, o bioma que viu a maior proporção de sua área de vegetação nativa sumir foi o Cerrado, com 18% de perda líquida.

A Amazônia perdeu a maior área (líquida) de floresta no período: 36 milhões de hectares.

Outros biomas tiveram também perda líquida: Pampa (-15%), Caatinga (-8%) e Pantanal (-7%)

Ou seja, de 1985 até hoje, o Cerrado foi transformado em agricultura ou área urbana.

Mato Grosso do Sul tem…

Mais atropelamentos de animais que rodas de tereré.

Animais na pista não são novidade nas estradas de Mato Grosso do Sul.

Um levantamento da Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira (Incab), do Instituto de Pesquisas Ecológicas (Ipê), apontou que 289 animais foram atropelados somente na rodovia MS-040, no primeiro semestre de 2018, em Mato Grosso do Sul. São 209 mamíferos, 68 aves, 11 répteis e 1 anfíbio.

Desse total, morreram 14 antas e algumas outras espécies seriamente ameaçadas de extinção tais como o tatu-canastra e o cachorro-vinagre.

Pesquisadores da UFMS monitoraram, de 1996 a 2000, os atropelamentos de répteis e aves na BR-262, no trecho que liga Campo Grande a Corumbá, em Mato Grosso do Sul.

Ao todo, registraram 930 acontecimentos, envolvendo 29 espécies de répteis e 47 espécies de aves.

O número alarmante foi anunciado em muitos sites científicos e até pelo The New York Times.

Mato Grosso do Sul tem…

Mais agrotóxicos que cocaína apreendidas.

Notícias sobre agrotóxicos ilegais, contrabandeados e contaminações em comunidades indígenas só aumentam em Mato Grosso do Sul.

Nos cinco primeiros meses de 2019, a Polícia Federal apreendeu quase a mesma quantidade de agrotóxico tirado de circulação no ano passado inteiro.


Foram 7,3 toneladas apreendidas de janeiro a maio deste ano e 8,4 toneladas nos 12 meses de 2018.

Brincadeiras à parte, os assuntos são sérios. Até quando vamos engolir isso?

Ainda hoje temos mais pessoas que jogam lixo nas ruas, colocam fogo em terrenos baldios, maltratam animais ou que acreditam em fake news que alguém realmente preocupado com o nosso futuro.

Parece que temos muito o que repensar!

|

Mato Grosso do Sul

Nome:
Email:
Site:
Escreva seu comentário: