Skip to content

Descubra a bocaiuva, o “chiclete de pobre”

E aí, Mateiro! Bora descobrir o gostinho da bocaiuva?

Antes de tudo, a bocaiuva (Acrocomia aculeata) é uma fruta Típica do Cerrado.

Em suma, a bocaiuva é o coquinho de uma palmeira que chega a 25 metros de altura.

Agora que já vimos como ela é versátil no cardápio, bora saber mais.

Conheça a bocaiuva, fruta doce de MS

Primeiramente, é comum chamar a bocaiuva de “chiclete de pobre”.

Isso porque ela pode ser encontrada em todo lugar e dá pra ficar mastigando por um tempão.

Por isso mesmo, ela é sucesso entre as crianças de Mato Grosso do Sul e fascina os turistas.

Dessa forma, o fruto com tamanha importância regional une o sabor da infância com a economia da região.

Tanto no comércio quanto no turismo, em que viajantes buscam os sabores locais.

Bocaiuva é usada de várias formas

Antes de tudo, a bocaiuva tem uma grande diversidade gastronômica.

Pois tudo nela pode ser aproveitado.

Sendo assim, a fruta doce é bastante usada pra produzir bolo, farinha, sorvete e até brigadeiro na culinária de Mato Grosso do Sul.

Além disso, ela ainda vai bem em pratos salgados.

Por exemplo, você pode experimentá-la no pintado (peixe da região) ao creme de bocaiuva.

Inclusive, dentro da frutinha existe uma doce, nutritiva e saborosa parte fibrosa.

Ou seja, ela ainda é boa para quem tem intestino com funcionamento irregular.

Além disso, as folhas são utilizadas para suplementação alimentar de cavalos e bois.

Por isso, ela serve de reforço na sustentação dos animais.

Ainda sendo utilizada na construção de habitações.

Nesse sentido, a palha é usada na cobertura.

Assim como os coquinhos, por serem muito duros, servem como brita; e a madeira serve para parede, caibro e ripa.

Por fim, o óleo da amêndoa ainda é usado na produção de sabão, sabonete, margarina e cosméticos.

Inclusive, a sua casca é fina e pode ser facilmente quebrada com os dedos.

Além disso tudo, pesquisadores da Embrapa Pantanal já apontam que a planta tem propriedades medicinais.

Inclusive, a seiva da bocaiuva ajuda no tratamento da erisipela, uma doença caracterizada por uma inflamação da pele.

Fora que o fruto é uma ótima fonte de betacaroteno, um pigmento que se transforma em vitamina no organismo.

Assim, ele é antioxidante e proporciona brilho ao cabelo.

Além de ter betacaroteno, substância que se transforma em vitamina A, se estiver em falta no corpo.

Lembrando ainda que é riquíssima em ômega 3, perfeita para veganos.

Como resultado, só vemos vantagens!

Qual é a relação da bocaiuva com a cultura
de MS?

Em conclusão, a bocaiuva ainda está muito ligada à nossa cultura.

Pois, assim como antes, a distribuição da bocaiuva se assemelha ao território de antigas populações indígenas.

Logo, a etnia Terena ainda usa a palmeira para fins alimentares.

Dessa forma, a polpa, a amêndoa e o óleo são usados para produzir alimentos artesanais.

Esse trabalho de extrair e processar a bocaiuva e também produzir os seus derivados gera uma renda diversificada para a região.

Tanto que “o chiclete” já ganhou o mercado, com produtos genuinamente regionais.

Inclusive, esses produtos são bem comuns em cidades como Miranda e Corumbá.

Por isso, a alternativa de renda com produtos vindos da bocaiuva já faz parte da agricultura de muitas famílias.

Por consequência, ela contribui para a melhoria de vida de todos.

Desde os trabalhadores que plantam e colhem as frutas até os que fabricam os produtos e os que os revendem.

Bocaiuva

Pra finalizar, a bocaiuva também é conhecida por outros nomes.

Tais como macaúba, coco-baboso, mucujá, mocujá, mocajá, macaíba, macaiúva, umbocaiúva, imbocaiá ou coco-de-espinhos, coquinho.

Importância ecológica da bocaiuva

Surpreendentemente, a crença sul-mato-grossense de que a bocaiuva só nasce em terra ruim não poderia estar mais errada.

Na verdade, a palmeira é bem exigente.

Tanto em relação à fertilidade da terra quanto à umidade do solo.

Dessa maneira, vemos a importância ecológica da bocaiuva na colonização de áreas degradadas.

Assim como na alimentação de diferentes espécies da fauna de Mato Grosso do Sul.

Por exemplo, as araras, capivaras, antas e cotias amam comer os frutinhos.

Mesmo com a expansão urbana e a pecuária intensiva, a bocaiuva não corre risco de extinção.

Mas, para que o desenvolvimento econômico se mantenha, precisamos divulgar a importância da bocaiuva como alimento.

Inclusive porque ela gera renda a muitas pessoas, na agricultura familiar.

Em outras palavras, quanto mais a gente descobre a natureza, mais a gente ama.

Agora é com você!

Então, fala aí!

Você gosta da bocaiuva e já experimentou nas receitas?

Se acaso quiser saber de outras delícias regionais, conta pra gente nos comentários também!

Aliás, segue a gente no Instagram @AqueleMato.

A gente se vê!

Tchaau!


APOIE AQUELE MATO

Se quiser continuar acompanhando nosso conteúdo e nos ver florescer, colabore com o nosso trabalho PicPay ou pelo Apoia-se.

Os recursos são usados para a manutenção do blog e para manter o acesso gratuito a todos.

Aquele Mato

Somos a Lua e o Diogo. Dois sul-mato-grossenses que criaram este espaço pra falar do nosso amor pelo Estado e mergulhar na nossa cultura. Queríamos um lugar não só para os amantes da natureza e das nossas belezas, mas também para quem se interessa pela história e quer ler, pensar e trocar experiências vividas por aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

2 thought on Descubra a bocaiuva, o “chiclete de pobre”

  • Olá, meu nome é Paulo, sou de Campos dos Goytacazes / RJ.

    Morei em Corumbá / MS e sou amante da Bocaiuva.

    Tentei comprar as frutas e mudas por sites, mas até agora não consegui.

    Alguém sabe informar de fato onde consigo adquirir as frutas e as mudas, para plantar aqui na mi há região?

    Desde já agradeço a atenção.

    Paulo Dybowski
    WhatsApp (22) 9 9778 9053

Gente boa é a capivara A terra do ET BILU O Baratão de Corumbá Peixes do Pantanal Urutau – Mãe-da-lua