Skip to content

10 animais típicos do Cerrado

Antes de tudo, a gente sabe: os animais típicos do cerrado brasileiro são de espécies bem diversas.

Por isso, este bioma é considerado a savana com maior biodiversidade do mundo.

Em razão da sua localização, o Cerrado atua como um elo entre a Amazônia, a Mata Atlântica, a Caatinga e, claro, o Pantanal.

Sendo assim, ele possui uma rica relação com eles.

Dessa forma, os animais passeiam entre estes biomas.

Possivelmente, eles passam pelo Cerrado também.

Veja uma pequena amostra dos animais típicos do Cerrado brasileiro!

Veado-campeiro está entre os animais do cerrado

Veado-campeiro

O veado-campeiro (Ozotoceros bezoarticus) ocupa preferencialmente áreas abertas, como o Cerrado.

Originalmente, ele ocorre em grande número por todo o Cerrado brasileiro e o Pantanal.

É uma espécie diurna que pode ser avistada facilmente.

Provavelmente porque ele gosta de campos abertos.

Inclusive, isso pode sugerir que tenha uma população abundante.

Mas esse número está em forte declínio, infelizmente.

Principalmente agora com o recorde das queimadas no Pantanal, em 2020.


Jaguatirica é um animal típico do cerrado

Jaguatirica

Em primeiro lugar, este é o terceiro maior felino das Américas que vive aqui.

A jaguatirica (Leopardus pardalis) costuma descansar durante o dia.

Isso porque ela prefere sair para caçar à noite.

Assim como outros da espécie, ela é um animal com excelente habilidade para escalar árvores.

Porém, é um bichinho solitário e territorialista.

Por certo, ela pode ser encontrada tanto no bioma Cerrado quanto no Pantanal.

Os nossos vizinhos colombianos a chamam de tigrinho.

Já os paraguaios a batizaram de onça-pequena.

O nome “jaguatirica” tem origem na língua tupi-guarani.

Inclusive, a palavra é a junção das palavras: îagûara (“onça”) e tyryka (“recuo, afastamento, fuga”).

Assim, elas formam o significado: “onça que se afasta”.


Gato-maracajá é um animal típico do cerrado
Por Malene Thyssen (User Malene) – Obra do próprio, CC BY-SA 3.0, Hiperligação

Gato-maracajá

Infelizmente, o gato-maracajá (Leopardus wiedii) está na lista de animais ameaçados de extinção.

Pra começar, este pequeno felino vive nas florestas tropicais das Américas Central e do Sul.

No Cerrado, o gato-maracajá é encontrado em áreas de matas de galeria ou vegetação mais densa.

Já sua média de tempo de vida é de 13 anos.

Assim, o gato-maracajá tem olhos e patas grandes e uma cauda bem longa.

Durante a caça, ele captura presas como saguis e aves.

Inclusive, o felino imita o som de filhotes para atraí-los.

Além disso, ele come roedores e marsupiais.

Porém, o número de gato-maracajá no Pantanal já estava bastante restrito antes mesmo das queimadas.

Agora, nós devemos nos preparar para novos números tristes.


Tatu-canastra, animal típico do cerrado
Photo credit: Agência Brasília on Visual Hunt / CC BY

Tatu-canastra

O tatu-canastra (Priodontes maximus) é característico do Cerrado.

Contudo, ele também é conhecido como tatuaçu.

Inegavelmente, esta espécie é considerada o maior tatu do mundo.

Pois ela pode atingir mais de um metro de comprimento, além dos 50 cm da cauda.

Com todo esse tamanho, o tatu-canastra pode chegar a 60 kg.

Sendo, inclusive, é o mais raro entre os tatus vivos.

Antigamente, ele era muito visado por caçadores.

Pois eles buscavam sua carne para alimentação e sua armadura, muito resistente, para fazer utensílios.


tatu-de-rabo-mole, animal típico do cerrado

Tatu-de-rabo-mole

O tatu-de-rabo-mole é uma das principais espécies de tatu encontradas no bioma Pantanal e que também ocorre no Cerrado.

Seu nome tem origem no fato de parte de sua cauda não estar revestida por placas.

Surpreendentemente, ele passa 99% do tempo na sua toca.

Além disso, ele gira o corpo como uma hélice.

Dessa forma, ele cava sua toca até deixá-la com uma abertura arredondada.


Lobo-guará

Lobo-guará

O lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) ocupa a região do Cerrado e do Pantanal.

Acima de tudo, ele tem um comportamento tranquilo e hábitos solitários, sendo esguio e elegante.

Por isso, eles formam casais apenas na época reprodutiva e durante o cuidado parental.

Por outro lado, o lobo-guará é um importante dispersor de sementes.

Inclusive, essa grande importância ecológica o tornou símbolo do Cerrado.

Ao mesmo tempo, o lobo-guará é conhecido como lobo-de-crina, lobo-vermelho, aguará, aguaraçu e jaguaperi,

Esses nomes estão sempre relacionados à sua bela pelagem laranja-avermelhada.


Tucano-toco

Tucano-toco

O tucano-toco (Ramphastos toco) é um dos mais marcantes símbolos da nossa região.

Tanto que ele é uma exclusividade da América do Sul.

Quem já ouviu algum de perto pode confirmar.

De maneira idêntica, vamos imitá-lo: “Grrr” , “Gruuuuuuuunkt”, “Greeeeekt-eeeek” e “Aaaaaaark-rk”. 

Então, deu pra entender que esses são sons que fazem parte da sua vocalização, né?! rsrs

O tucano-toco se alimenta de dia.

Assim, ele costuma descer ao solo para aproveitar os frutos que estiverem pelo chão.


Tamanduá-bandeira

Tamanduá-bandeira

O tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) é um mamífero visto com bastante frequência no Pantanal, assim como no Cerrado.

Ele recebe esse nome porque sua cauda tem forma de uma bandeira.

A cauda o auxilia na camuflagem e na conservação de sua temperatura corporal.

Inclusive, a cauda é aproveitada para se cobrir na hora do sono.


Onça-Pintada sorrindo

Onça-pintada

A onça-pintada (Panthera onca) é o maior felino das Américas.

Apesar de muito temida pelo homem, ela evita o contato com nossa espécie.

Por isso, a onça só ataca em casos de legítima defesa.

Ela geralmente ataca para proteger seus filhotes.

No Cerrado, a onça-pintada é classificada como em melhor situação em relação à extinção.

Porém, ela também está ameaçada, principalmente por conta do agronegócio e mais recente pelas queimadas no Pantanal.


Capivaras

Capivara

A capivara (Hydrochaeris hydrochaeris) é a maior espécie entre os roedores.

Pra começar, ela é uma excelente nadadora.

Por isso, ela está sempre por perto de rios e lagos.

Além disso, as capivaras gostam de estar no meio urbano e são boa-praça.

Não é à toa que elas estão sempre por perto, pelas ruas de Mato Grosso do Sul.

Tanto que você pode encontrar bandos de capivaras próximos dos parques.

Mas também em lugares menos prováveis.


Os animais do Cerrado, assim como do bioma Pantanal, são espécies emblemáticas.

Eles fazem a diversidade local e nos dão orgulho da nossa terrinha.

E claro que a gente ama! <3

Atualmente, esse animais vivem em constante ameaça, por extinção do habitat, desmatamento, crescimento urbano ou tráfico silvestre.

Então, se puder, compartilhe esse post e o amor por nossos animais!

A gente se vê pelas trilhas.

Tchaau!


APOIE AQUELE MATO

Se quiser continuar acompanhando nosso conteúdo e nos ver florescer, colabore com o nosso trabalho PicPay ou pelo Apoia-se.

Os recursos são usados para a manutenção do blog e para manter o acesso gratuito a todos.

Aquele Mato

Somos a Lua e o Diogo. Dois sul-mato-grossenses que criaram este espaço pra falar do nosso amor pelo Estado e mergulhar na nossa cultura. Queríamos um lugar não só para os amantes da natureza e das nossas belezas, mas também para quem se interessa pela história e quer ler, pensar e trocar experiências vividas por aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

3 thought on 10 animais típicos do Cerrado

Gente boa é a capivara A terra do ET BILU O Baratão de Corumbá Peixes do Pantanal Urutau – Mãe-da-lua